terça-feira, 27 de outubro de 2015

Escolhas - o valor real das coisas.


São pucos os casamentos que hoje em dia eu vejo que realmente são bons. Quando digo bons, não é sem problemas, crises e brigas. Mas é bom. É agradável. É perfeito. É para sempre. Creio que são 2 motivos que o tornam ruim: a escolha errada, fora da vontade de Deus e a falta de aliança com o cônjuge, principalmente quando o amor parece ter "acabado". Mas quero falar da primeira opção.

"(...)  para que permaneçais perfeitos e plenamente seguros em toda a vontade de Deus" Colossenses 4:12

Meu casamento é bom. Ele é cheio de altos e baixos, ele teve e tem crises. Enfrentamos muitas, muitas dificuldades. Magoamos muito um ao outro, mas posso falar, com uma certeza: Tem algo que fez diferença para se tornar sólido: a vontade de Deus, e Ele próprio junto com a gente. Eu não posso falar do futuro, mas como um grande pregador já disse: : "Nesses 10 anos eu nunca pensei em divorcio. Homicídio sim, mas divórcio, divorcio não!"

Se você oferecer hoje, para uma criança na faixa de 2 a 4 anos, para fazer uma escolha, entre 2 notas de R$2,00 ou 1 nota de R$100,00, a maioria, se não todas, vão escolher as duas de R$2,00 e ainda se gabar que saíram no lucro.
Da mesma forma, se eu pedir você para escolher entre essas duas notas, para dar para essa mesma criança, você não vai pensar duas vezes e vai agarrar a de R$100,00 rapidamente, ciente de que você, obviamente. escolheu o melhor para ela.
Isso acontece, porque a criança nessa faixa etária não entende o valor real das coisas. Nessa idade, ela ainda pensa que o valor tem relação com a quantidade e não com aquele numero pequeno na nota, que é o que realmente determina quão valiosa ela é. Ela também pode se agarrar a outros detalhes, como cor, desenho e outras coisas desse tipo para influenciar nessa escolha, mas um dia, quando ela crescer, e entender, ela vai ver que o que realmente importa na nota, é o fator numérico que ela representa.

Assim somos nós com Deus. Deus é infinitamente sábio, e Ele está só uma eternidade na nossa frente. Ele sabe o que é melhor para a gente. A Bíblia diz em Romanos 12:2 "E não vos conformei com este mundo, mas transformai-vos pela renovação da sua mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus". Isso quer dizer, que Deus, em sua infinita sabedoria e conhecimento sabe, sem dúvida alguma, o que é bom, perfeito e agradável para nossa vida!
Mas mesmo assim nós ainda teimamos em nos conformar com esse mundo e escolher na nossa vida, as 2 notas de R$2.00!

Levando isso para os relacionamentos, para a escolha do nosso companheiro(a), seria mais obvio crer que logicamente, Deus, sábio e conhecedor do futuro, sabe quem é o melhor para nossas vidas. Com quem nós devemos passar o resto dos nossos dias casados. Mais isso só é fácil na teoria. Na prática, as coisas não são bem assim!3

Um pouco antes de conhecer o Chico, eu tive um breve "relacionamento" com um garoto. Eu não me orgulho e também não me sinto a vontade para falar sobre isso, mas acho interessante, porque Deus me deu a oportunidade de conhecer os dois lados tão brevemente.
Esse relacionamento na verdade não passou de uma 'paixonite' até irreal. Tudo começou por incentivo de outra pessoa que estava de fora (Ah jovens! Não incentivem o amor fora do tempo!), que começou a fazer um leva e trás, tentando juntar a gente. Eu nem achava o menino interessante, mas a conquista foi tanta que eu me apaixonei. Só que pelo fato de ter um propósito tão sério, graças a Deus não passou de paixonite. Era carnal. Era alma. Era quase obsessivo. Não estou desmerecendo o garoto, ele tem suas qualidades e gosto dele. Mas estava tudo fora da vontade de Deus. Começou da forma errada, e se tivesse ido para frente, acabaria também da forma errada. Nós nos envolvemos emocionalmente, antes mesmo de ouvir qualquer sinal de Deus, e não fomos para o lado físico, por causa dos limites pré-estabelecidos. É por isso que sou tão chata em relação a isso. Não se envolvam emocionalmente, fisicamente, nem nada possível, até ouvirem um sim da parte de Deus! É muito mais fácil ouvir a vontade Dele enquanto não se está envolvido, torcendo para ser um SIM.
Bom, eu sabia, no íntimo que era NÃO a resposta de Deus para aquele relacionamento, mas como foi difícil e dolorido aceitar isso, Eu queria tanto conseguir enxergar, que um dia perguntei para minha mãe o que ela achava dele (ela sabia da nossa paixonite), e ela, infelizmente não me deu uma resposta. Enrolou e não falou o que eu queria ouvir, apesar de o conselho dela ser importante. Enfim, eu tentava obedecer a Deus mas não conseguia, então orei. Comecei a orar para que se não fosse a vontade Dele Ele me livrar. E assim foi. Nem me lembro como as coisas aconteceram, porque foi tão confuso, mas acabou, dolorido, mas acabou (deixo claro que não namoramos. Apenas estávamos apaixonados, porém envolvidos - trocas de mensagens carinhosas). Deus colocou um fim, sem eu precisar tomar uma atitude. E doeu tanto, tanto, que poderia ter me poupado de tanta dor, apenas não me envolvendo antes de ouvir o que Deus tem para mim, sem basear na minha sabedoria e o que eu acho melhor, mas buscando Dele qual nota escolher!

Logo depois dessa rápida paixão, fruto da alma e da carne, eu conheci o Chico. E com ele, ah, foi tudo diferente. Minha memória ainda estava fresca da dor que é não seguir a vontade de Deus, e dessa vez eu estava mais esperta.
Quando nos conhecemos, ambos não tínhamos interesse num relacionamento tão cedo. Ao contrário, eu brinco que Deus nos 'trolou', porque ambos estávamos prontos a largar tudo e ir para as nações servir ao Senhor! Me lembro bem, de a gente, logo nas nossas primeiras conversas, quando não tínhamos nada, conversando sobre casar daqui uns 5 anos, tão ingênuos! Eu tinha 18 anos e ele 24. Nosso relacionamento foi rápido. Deus encaminhou e abriu as portas rapidamente. Já tínhamos nos vistos e falado brevemente uns meses antes, mas foi exatamente no dia 13 de outubro que tivemos uma conversa um pouco mais profunda, e uma semana depois ele foi para minha casa (cidades diferentes) para um breve trabalho no abrigo que eu morava e servia. Ele veio para passar 3 dias, ficou uma semana. Nessa semana criamos uma amizade, conversamos muito, e não havia nenhuma segunda intenção. Foi natural. Tão natural que Deus foi conduzindo nosso relacionamento.
No dia que ele voltou para a cidade dele, ele deu alguns sinais, bem pequenos de que estava surgindo um interesse nele por mim, Eu era tão boba e inexperiente que não captei nenhum deles. Escrevi uma carta carinhosa para ele, mas demonstrando apenas minha amizade e admiração como irmão em Cristo. E na hora que ele deixava a cidade, ele chorou! Eu não vi, mas ele me contou depois!
Aí começamos a conversa por telefone. Não tínhamos grana, então conversávamos de madrugada (depois de meia noite o telefone da minha mãe falava de graça até as 6h da manhã). E aí começamos ambos a ter um interesse maior e a orar em relação a isso. Minha mãe desesperou porque ela achava que eu não estava demonstrando que também estava interessada. Eu digo que minha mãe teve que ajudar a gente a começar a namorar. Hehehehe. Ela mandava eu mandar mensagens para ele, com nada de mais, mas eu quase morria de vergonha. Para mim, o Chico era muito de Deus, muito especial, muito maduro, e nunca ia ter olhos para mim, naquela época, uma criança.
Foi então que dia 01 de novembro, nós oficializamos nossa oração em busca da vontade de Deus para nossas vidas. Ambos tínhamos o mesmo voto (sim, ele também tinha o mesmo voto que eu, de só beijar a esposa no altar, e havia feito, antes mesmo de me conhecer!) e queríamos a vontade de Deus. Não agíamos como namorados, apesar de sermos carinhosos e queremos estar um com o outro. Apenas demonstrávamos nosso interesse e esperávamos a resposta de Deus! Então, no dia 13 de novembro fui para a cidade dele, no acampamento da Igreja dele (que eu conhecia um monte de gente).  E foi lá onde Deus falou comigo.
Estávamos na hora do louvor, e ele estava ministrando. De repente, ele disse, no meio do louvor: "se tem alguém da sua família aqui, junte-se a eles e orem juntos, como família!", nessa hora, meu coração disparou. Não foi audível. Parecia um pensamento meu. Mas Deus me disse, claramente "Ele vai ser a sua família!". Ah, como é bom ouvir e ter a certeza de Deus sobre algo tão sério. Essa frase dita por Ele, tem me sustentado desde então, principalmente nas horas difíceis, quando aquela vozinha diabólica pergunta "por que fui me casar com ele???", a resposta vem sempre rapidamente: "Porque Deus mandou!"


Querido amigo que hoje lê esse post. Deus tem algo para você! Mesmo que pareça loucura, que pareça ruim, o melhor Dele é mais valioso do que o que nós achamos que é melhor para nós.
Ouvir a resposta de Deus é muito mais importante do que você imagina. Seguir a direção Dele, vai ser imprescindível quando as crises no casamento vierem! Ter a certeza de que você está no centro da vontade Dele é muito importante. Não comecem um relacionamento antes de ouvirem esse SIM. Não se envolva, antes de ouvir: "Sim, é esse o homem/mulher que eu tenho para viver para sempre do seu lado!".
Sei que nem todos os casos são iguais, mas quando Deus está no comando, as coisas vão se desenrolar, as coisas vão acontecendo naturalmente, e Ele vai direcionar em tudo! Se você de cara partir para o lado físico e/ou emocional, a dor vai ser grande se Deus disser não e você terá que obedecer!
Falta falar que Deus também falou com Ele, de forma diferente, e só começamos a namorar mesmo, depois que nossos pais autorizaram nosso casamento (já que em um ano teríamos que casar). E no dia 15 de novembro de 2005, o dia em que começamos a seguir a direção de Deus para nosso futuro juntos!


E Deus me deu um casamento maravilhoso. Ele não me honrou porque eu me guardei, ou fiz um voto, ou quis santidade, que é  mais do que nossa obrigação como cristãos. Eu simplesmente colhi o fruto de obedecer a Deus, e pude experimentar qual foi a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.



sexta-feira, 25 de setembro de 2015

O namoro não é o ponto crucial da nossa vida cristã


Já estava pensando em escrever sobre isso, quando li no livro "Eu disse adeus ao namoro" essa frase, e resume bem o que eu quero falar. O namoro em si, não deve ser o ponto crucial de sua vida. Viver sua vida, baseando-se somente nisso, logo virará um ídolo em seu coração.

Eu acompanho um movimento sobre esperar no Senhor, em santidade, pelo parceiro/a que Deus escolheu. A ideia em si é muito legal, porque em um mundo onde somos bombardeados com o contrário, onde todo mundo é de todo mundo, ninguém é de ninguém, levar a luz da Palavra e o que o senhor tem para nossas vidas a cerca dos relacionamentos é muito bom! Porém, o que eu vejo, é que muitos cristãos, sinceros ou não, tem baseado toda a sua vida cristã em cima desse propósito: a santidade e pureza no relacionamento, o esperar em Deus. Só leem sobre isso, só pensam nisso, e só dedicam sua entrega de vida, na expectativa do dia em que Deus vai ser fiel e 'honrar' esse propósito! E isso, é muito perigoso.


Primeiro, porque nada pode ocupar o lugar do nosso coração, que deve ser Deus. A Bíblia já diz em Mateus 6:21  -  "Porque, onde estiver o teu tesouro, aí também estará o teu coração." . Se seu coração está no namoro e na espera do amado (não o amado noivo Jesus, mas o terreno), você corre grande risco de estar com um sério problema!  Seu coração deve estar ardendo pela espera de Cristo, e da sua obra na sua vida, da presença do Espírito. Enquanto você não estiver assim, você também não esta pronto para um relacionamento a dois.

Segundo, porque quem vive baseando sua vida numa renuncia e entrega, numa vida de santidade, esperando que em troca o Senhor o abençoe e seja fiel, honrando com o 'príncipe/princesa encantados', corre grande risco de se decepcionar. Se achamos que vivendo nossa vida de acordo com os propósitos de Deus, assim receberemos um cônjuge para nos fazer feliz, depois de casar, você vai se escandalizar com o presente que Deus te deu. Não existe parceiro perfeito, não existe alguém que vai te fazer feliz, e por mais bem preparados que pensamos estar para o casamento e suas dificuldades, só entendemos o quão louco é, quando estamos vivenciando. E se você vive esperando algo em troca do Senhor, vai achar que Ele não foi fiel a você, honrando seu compromisso (vai por mim, casamento é um caminho de morte que leva a vida!)

Então, se você está vivendo sua vida baseado na sua espera no namoro, ore a Deus e peça a Ele que Ele venha ser o centro da sua vida, e que Ele se revele para você! Mas se você realmente deseja o Senhor, busque-o, pois nós não somos santos para termos algo de Deus, somos santos porque Ele é santo, e Ele quer que sejamos santos! Santifique sua vida em todas as áreas. Busque ser santo, em TUDO. lembre-se dos pecadinhos de estimação que costumamos guardar, bem no íntimo do nosso ser, e que ficam escondidos por trás da nossa capa de santidade de "pecadões". Mas para deus, pecado é pecado e pronto! Leia a Bíblia e busque conhecimento e crescimento em todas as áreas!

Porém, que sua escolha em renunciar os prazeres e ilusões desse mundo, possam sim ser um testemunho da sua escolha pelo Senhor, e por obedecer os seus mandamentos. E que isso seja visível, por onde quer que você passe, para a Glória de Deus!

Que esse blog seja luz e direcionado para o Senhor, para que sua vida seja edificada e te leve a buscar a Deus, mais e mais! Lembre-se, o caminho da santidade é Cristo!

O começo do começo. Até a decisão! Testemunho Ívina - Parte 1



Não sei por onde começar, porque não sei onde seria o começo... Nem, como reduzir a nossa história para caber aqui! É tanta coisa, que daria para escrever um livro! Mas vou tentar começar do começo, que começa antes do namoro. Minha intenção é ter uma conversa casual, sem grandes preocupações com a parte literária da escrita desse blog. Então, bora lá!

Antes de pensar em se apaixonar por alguém, se apaixone por Cristo. Parece obvia essa frase para nós cristãos, mas muitas vezes não é tão óbvio na hora de viver. Francisco vai poder falar um pouco mais sobre isso, na hora que contar a parte dele. Mas vou voltar na minha história com Jesus.

Eu digo que cresci num lar cristão, porque apesar de minha mãe se entregar a Jesus só quando eu tinha uns 9/10 anos, eu já desejava a Cristo muito antes disso. E minha tia teve papel importante nisso. Foi através de histórias, pregações e filminhos da Bíblia que eu assistia quando estava na casa dos meus primos, que eu desejei me entregar ao Senhor, e a partir daí, nunca mais quis larga-Lo. Quando minha mãe deu sua vida ao Senhor, nos envolvemos na Igreja, então, sou uma cristã desde criança.

Meu desejo pelo Senhor se aprofundou no início da minha adolescência. Foi quando tive minha experiência pessoal com Jesus. Experimentei ouvi-Lo, senti-Lo e me entreguei por completo. É meio diferente de quem andava em caminhos mundanos e de repente se converte aos caminhos de Cristo, e imediatamente vê uma transformação em sua vida e atitudes. Mas eu tive minha experiência, e apesar de não poder data-la, foi um marco na minha vida. E quando entreguei minha vida, me dispus a servir ao Senhor e dar minha vida por Ele (apesar de nem sempre andar de acordo com minha proposta, durante os anos que se seguiram).

Meus pais são divorciados. Minha mãe se entregou a Jesus de tal forma, que eu cresci vendo Jesus prover as nossas necessidades de forma milagrosa. Ela decidiu dar sua vida e depender de Jesus. E eu fui junto. Antes de contar a parte em que nossa pousada se transformou num abrigo de crianças e adolescentes, vou contar como o Senhor falou comigo, muito antes, sobre "dizer adeus ao namoro!".

Eu conheci uma menina, chamada Tarcísia, de outra cidade. Ela e seu irmão vieram para a nossa casa, passar um tempo através do seu ministério com surdos. E foi dela que eu ouvi, pela primeira vez: "Só vou beijar meu marido no altar!". A princípio, achei uma loucura. Fui ouvindo seus argumentos e aquilo entrou profundo no meu coração. Não sei quantos anos certo eu tinha, mas creio que estava na faixa dos 13/14 anos. Eu nunca tinha namorado, e nessa época eu já tinha a convicção de que o namoro tinha quer ser puro (sexo só depois do casamento) e pre-estabelecida a ideia de que namoro era só com quem você vai casar, apesar de que esta ideia não estava organizada ainda como um modo de vida.
Bom, ela foi para a casa dela, e eu fiquei na minha, encucada com aquela idéia maluca de beijar so no altar, por que afinal, namoro, para mim, se resumia também no contato físico, no caso, abraços, dar as mãos e claro, beijos. Não se pensa em namoro sem se pensar em beijo! Como pode uma idéia dessa?

Um pouco depois, eu li um livro. O nome não poderia ser mais interessante: "Eu disse adeus ao namoro", de Joshua Harris. Eu fui tão tocada com aquele livro, achava o autor tão legal, que me imaginava casando com ele, porque eu nunca imaginei que acharia um homem, mesmo cristão que pensasse como ele. Vou reler o livro agora casada, inclusive para poder fazer um post sobre ele, mas já recomendo. Um pouco depois, eu tive a experiencia de acompanhar o namoro de uma conhecida que namorava sem a aprovação dos pais, e isso me fez tomar algumas decisões.

Foi então que eu aprofundei e organizei as ideias na minha cabeça.
1 - Namoro, segundo a Bíblia, é para casar.
2 - O namoro cristão tem que ser puro, santo. Então, mesmo não tendo provado, pelas experiencias dos outros, se demorar muito tempo namorando, a chance de cair é enorme. Então, o namoro deve ser por um rápido período de preparação.
3 - Os pais, as autoridades, todas devem aprovar o namoro, antes mesmo que ele comece. Se minha mãe ou pai não deixarem, eu preciso rever minhas idéias.
4 - O escolhido para ser meu esposo vem de Deus, sendo assim, eu não devo sair em busca de um namorado, mas esperar em Deus, que na hora certa Ele me enviaria o meu marido. E eu teria que ouvir de Deus, que era ele (uma das decisões mais importantes que tomei, e sou grata a Deus por ter me dado luz em relação a isso).

Com essas ideias, eu decidi que só namoraria quando em um ano eu estivesse pronta para casar. Ou seja, enquanto não houvesse essa possibilidade, nem pensar em namoro. (ok, não que essa decisão tenha evitado de, durante a minha adolescência, me apaixonar - platônico - por alguns rapazes. Eu não estava firme o suficiente para segurar meu coração, mas graças a essas decisões, eu segurei o suficiente para essas paixões só ficarem na imaginação - eu me envergonho dessa parte rsrsrsrs)
Mas beijar no altar ainda era uma dúvida que palpitava na minha cabeça... até que o Senhor falou comigo...

Em um belo dia de estudo da Bíblia na Igreja, estávamos estudando sobre a boca e seus poderes (para abençoar e amaldiçoar, mentiras, fofocas, etc), lendo as passagens que falavam sobre isso, quando lemos alguns versículos de Tiago:

"Quando colocamos freios na boca dos cavalos para que eles nos obedeçam, podemos controlar o animal todo.
Tomem também como exemplo os navios; embora sejam tão grandes e impelidos por fortes ventos, são dirigidos por um leme muito pequeno, conforme a vontade do piloto.
Semelhantemente, a língua é um pequeno órgão do corpo, mas se vangloria de grandes coisas. Vejam como um grande bosque é incendiado por uma simples fagulha.Assim também, a língua é um fogo; é um mundo de iniquidade. Colocada entre os membros do nosso corpo, contamina a pessoa por inteiro, incendeia todo o curso de sua vida, sendo ela mesma incendiada pelo inferno."
Tiago 3:3-6

Ao terminar de ler, enquanto quem estava ministrando a Palavra falava algo acerca dos pecados cometidos pela boca, Deus ministrou profundo no meu coração. Foi como se uma luz penetrasse em meus olhos e me mostrasse a verdade. A língua é um órgão do corpo - uma relação sexual é feita de penetração de órgãos (me desculpem, mas tenho que ser explícita), portanto, o beijo de língua é uma penetração de órgãos, como o sexo, ou pelo menos, o princípio dele. A língua é um fogo, que contamina o corpo inteiro, como fagulha. O beijo é a fagulha do sexo. Ou seja, se eu queria um namoro santo, nada de beijo de língua.
Você pode me achar radical, e perguntar: mas e o beijo selinho, sem a língua? Bom, eu não tenho como te afirmar que na Bíblia está escrito claramente que 'Beijar na boca é pecado', mas, Deus me falou, foi real, e eu decidi isso na minha vida. Depois, levando em consideração o que vamos expor sobre o namoro, o mais lógico é que, o beijo de língua é um contato carnal, que você não deve ter caso deseje se conservar puro,e guardar essa intimidade para seu cônjuge. O que seriam 1 ano de espera, para quem poderá beijar a vida toda?  E quanto ao selinho, bom, eu prefiro não arriscar!

Foi assim que eu tomei a decisão que guiou minha vida. Eu só namoraria quando estivesse pronta para casar em um ano, esperaria o homem certo de Deus, oraria e buscaria a resposta de Deus, antes mesmo de começar um relacionamento, só namoraria com a aprovação dos meus pais e autoridades, e esperaria que Deus tocasse no coração do homem que fosse meu futuro marido para aceitar minha decisão, afinal, não encontraria um louco disposto a isso...

E esperei com paciência no Senhor, entregando a Ele minha vida, e inclusive meu casamento (se Ele queria ou não que eu me casasse)...

NAMORO!



Namoro. Essa palavra desperta curiosidade desde nossa infância. Quando somos adolescentes, parece que o mundo gira ao redor dela, e quando nos tornamos adultos, a pressão aumenta em torno desse termo fundamental ma vida de cada um!

O Namoro está presente de forma gritante nos filmes, músicas, livros, em todo o nosso dia a dia...

Nos filmes e livros, o par perfeito, principe/princesa encantado/a, que fará a mocinha/mocinho feliz
para o resto de sua vida aparece, vivem um romance intenso, se casam e vivem felizes para sempre, sendo que sua alegria e felicidade está em encontrar o par perfeito, sua "alma gêmea".
As músicas hoje em dia estão cada vez mais depravadas, misturando amor, romance, sexo e traição, tudo junto e misturado. Mas se pegarmos aquela música antiga de amor, também veremos um romance intenso, onde o outro é a razão da sua felicidade, onde ele que te faz feliz, é estar com ele que te faz respirar mais profundo.

E no dia a dia, os casais apaixonados, aparecem em público esbanjando toda sua alegria de estarem juntos, nas redes sociais com fotos e mensagens apaixonantes que deixa qualquer um desejando encontrar seu par perfeito e viver sua linda história de amor com final feliz!

Mas tudo isso, na sua maioria, é falso! Ou pelo menos produz inverdades e mentiras no seu coração!
O que queremos passar aqui é a mensagem do que é o Namoro Cristão, e para que fim ele existe. E tentar mostrar para você quanta ilusão existe por traz dessa tão desejada palavra!



Hoje temos 9 anos de casados, 10 de namoro. Vivemos um namoro segundo nossas expectativas e casamos direcionados por Deus, segundo a sua vontade. E sim, hoje podemos escrever sobre isso, já que temos a experiência, e vivemos o nosso "Felizes para sempre" nem sempre tão feliz assim!
Espero que você acompanhe nosso blog, e nossas postagens possam abençoar a sua vida!


Bem vindo!


Amor e Pureza - a caminho do altar!

Blog em construção!

Seja bem vindo!

Você que chegou por aqui, e quer saber o que vem por ai...

Este blog e destinado a conversas sobre o modelo de namoro cristão, onde envolve amor, pureza e santidade. Com base na nossa experiência pessoal, livros e claro, o que a Bíblia fala sobre esse assunto tão delicado!

Segue a gente, e fique por dentro do que vem por ai!